Pesquisar este blog

19/07/2011

Ricardo Azevedo

Ninguém sabe o que é um poema


"O livro é uma antologia de poemas. Poemas são textos inventados por poetas. Poetas são sujeitinhos inconvenientes, cheios de vontades, que adoram fazer bagunça e mudar tudo de lugar. Mal eles chegam, já vão logo enfiando o dinheiro no aquário, o peixe na carteira, pianos na planície e capim na lapela.
A fim de bagunçar de verdade, aproveitam-se da inocência das palavras: vão bolinando as mais sonsas e as obrigam a dizer coisas estranhas e imprevistas. Para tanto, valem-se não apenas do significado imediato de cada termo, mas também de seu som, seu peso, sua cor e do ritmo que muitas vezes se insinua entre duas sílabas, duas respirações. Contrariando dessa forma os hábitos e convenções, parece que eles acordam a linguagem de uma espécie de sono, enriquecendo-a com novas possibilidades de sentido.
Ricardo Azevedo, autor deste livro, pertence a essa classe de bagunceiros que não vieram para explicar coisa alguma, mas antes para partilhar suas inquietações. Inquietações sobre a natureza e a vida na cidade, sobre o amor e a violência, o amadurecimento pessoal, o mistério que são os outros e a própria poesia".

05/07/2011

O Caso do Espelho - Conto popular, de origem chinesa, recontado por Ricardo Azevedo

Era um homem que não sabia quase nada. Morava longe, numa casinha de sapé esquecida nos cafundós da mata.
Um dia, precisando ir à cidade, passou em frente a uma loja e viu um espelho pendurado do lado de fora. O homem abriu a boca. Apertou os olhos. Depois gritou com o espelho nas mãos:
- Mas o que é que o retrato do meu pai está fazendo aqui?
- Isso é um espelho - explicou o dono da loja.
- Não sei se é espelho ou não é só sei que é o retrato do meu pai.
Os olhos do homem ficaram molhados.
- O senhor... conheceu meu?! – perguntou ele ao comerciante.
O dono da loja sorriu. Explicou de novo. Aquilo era só um espelho comum, desses de vidro e moldura de madeira.
- É não! Respondeu o outro. – Isso é o retrato do meu. É ele sim! Olha o rosto dele. Olha a testa. E o cabelo? E aquele sorriso meio sem jeito.
O homem quis saber o preço. O comerciante sacudiu os ombros e vendeu o espelho, baratinho.
Naquele dia, o homem que não sabia quase nada entrou em casa todo contente. Guardou cuidadoso, o espelho embrulhado na gaveta da penteadeira.
A mulher ficou só olhando.
No outro dia, esperou o marido sair para trabalhar e correu para o quarto. Abrindo a gaveta da penteadeira, desembrulhou o espelho, olhou e deu um passo atrás. Fez o sinal da cruz tapando a boca com as mãos. Em seguida, guardou o espelho na gaveta e saiu chorando...
- Ah, meu Deus! – gritava ela desnorteada.
- É o retrato de outra mulher! Meu marido não gosta mais de mim! A outra é linda demais! Que olhos bonitos! Que cabeleira solta! Que pele macia! A diaba é mil vezes mais bonita e mais moça do que eu!
Quando o homem voltou, no fim do dia, achou a casa toda desarrumada. A mulher, chorando sentada no chão, não tinha feito nem a comida.
- Que foi isso, mulher?
- Ah, seu traidor de uma figa! Quem é aquela jararaca lá no retrato?
- Que retrato? – perguntou o marido, surpreso.
- Aquele mesmo que você escondeu na gaveta da penteadeira!
O homem não estava entendendo nada.
- Mas aquilo é o retrato de meu pai!
Indignada, a mulher colocou as mãos no peito: - Cachorro sem-vergonha, miserável! Pensa que eu não sei a diferença entre um velho lazarento e uma jabiraca safada e horrorosa?
A discussão fervia feito água na chaleira.
- Velho lazarento coisa nenhuma ! – gritou o homem, ofendido.
A mãe da moça morava perto, escutou a gritaria e veio ver o que estava acontecendo.
Encontrou a filha chorando feito criança que se perdeu e não consegue mais voltar pra casa.
- Que é isso, menina?
- Aquele cafajeste arranjou outra!
- Ela ficou maluca – berrou o homem, de cara amarrada.
- Ontem eu vi ele escondendo um pacote na gaveta lá no quarto, mãe! Hoje, depois que ele saiu, fui ver o que era. Ta lá! É o retrato de outra mulher!
A boa senhora resolveu, ela mesma, verificar o tal retrato.
Entrando no quarto, abriu a gaveta, desembrulhou o pacote e espiou. Arregalou os olhos de novo. Soltou uma sonora gargalhada.
- Só se for o retrato da bisavó dele! A tal fulana é a coisa mais enrugada, feia, velha, cacarenta, murcha, arruinada, desengonçada, capenga, careca, caduca, torta e desdentada que eu já vi até hoje.
E completou feliz, abraçando a filha:
- Fica tranqüila. A bruaca do retrato já está com os pés na cova!

30/06/2011

13 de Maio - Riachão

Treze de Maio
É um dia muito bonito
A Congada se reuni
Prá festejá São Benedito

E a Rainha
                      Com a bandeira na mão
                  Reza pra Santa Isabel
               Que deu a libertação

Santa Isabel
É uma Santa milagrosa
Libertou a escravidão
Por ser muito caridosa

À meia-noite
                 A Festa vai terminando
                Eles beijam a bandeira
              Pra volta no outro ano.


Cantigas da Festa de São Benedito - Senhor Luiz

Benedito Santo oi,
Oi, Santo de Alegria
Vamos adorá Benedito, ô,lê,lê.
Hoje é o vosso dia.

  Que Santo é aquele
Que vem no andor
           É São Benedito, ô, lê, lê.
   Com Nosso Senhor.

Que Santa é aquela
Que tá na charola
É São Benedito
Com Nossa Senhora.

Bandeiras

As moças que carregam as bandeiras, em número de sete, são chamadas “Bandeirolas” (bandeireiras), e apresentam-se na seguinte ordem:
Ø  Bandeira do Divino Espírito Santo;
Ø  Bandeira do Anjo da Guarda;
Ø  Bandeira de Nossa Senhora do Rosário;
Ø  Bandeira de São Benedito;
Ø  Bandeira de São Benedito do Menino Jesus;
Ø  Bandeira de São Benedito e Santo Antônio;
Ø  Bandeira de Santo Antônio;
As primeiras bandeiras, a do Divino Espírito Santo e a do Anjo da Guarda, são para protegerem os Congos durante o “REINADO”. A de Nossa Senhora do Rosário, porque foi ela quem inspirou os congos para dançarem, e desde o seu aparecimento é que começaram a surgir os diversos Ternos de Congos; e a de São Benedito porque é ele o protetor dos “pretos e do bloco”.

A Festa de São Benedito em Poços de Caldas


A pesquisadora Tita informou que “a primeira Festa de São Benedito que se tem documentado, data de 1904 e realizada no dia 13 de maio, já com os grupos culturais: Congada, Moçambique e Caiapó. Isto foi publicada na Revista Poços, que circulava na época.” Revista por ela consultada no Museu e já compilada pela Associação de Ternos de Congos e Caiapós. “A renda desta primeira festa”, continua Tita, “foi de 1:000$000 contos de  réis, depois utilizada para construir a capelinha inaugurada em 07 de maio de 1.905, fato este confirmado pelo livro tombo, da Basílica de Nossa Senhora da Saúde.  

São Benedito em Poços de Caldas

Em Poços de Caldas, a história da devoção ao Santo, segundo relatos de devotos e historiadores, inicia-se ao final do séc. XIX com a Festa de São Benedito. Segundo a Tita, em Poços, “tudo o que se sabe sobre o negro foi escrito pela Festa de São Benedito”.
Naquela época, os sesmeiros e seus familiares criavam porcos para servir à Corte e produziam uma agricultura de sobrevivência. Cidade de pequeno comércio e pequena indústria de doce e licores produzia para atender os banhistas ou turistas das águas sulfurosas. Chegaram em 1.886, os italianos para o trabalho nas fazendas, que se iniciavam na produção cafeeira, para o trabalho urbano de construção e também em chácaras.
Após a Abolição mudou-se para Poços os negros da vizinhança, sendo criados vários mocambos, inclusive um perigoso, na Rua Rio Grande do Sul chamado de Botafogo onde, quase semanalmente, havia tiroteio e morte. Poços também tinha muitos negros bons que festejavam São Benedito, como o Vicente Raimundo. Nessa época, final do séc. XIX chegou a Poços o “tio Herculano”, um preto originado de Amparo, que fundou e zelou a primitiva capelinha, como organizou o Culto a São Benedito. “Foi o tio Herculano que fez a primeira oferta e deixou uma chácara para o milagroso Santo e com sua venda (...) se pode iniciar a construção da atual Igreja em terreno doado pelo Coronel Agostinho. (Mourão: 1.952, 275)”.
Se por um lado temos o dado do historiador, por outro temos a narrativa popular da memória de “tia Geni” (Geni Siqueira). Simpática e grande colaboradora comunitária, é também presidente do bloco carnavalesco Sociedade Amigos do Casca (em homenagem ao seu filho Casca, jogador de futebol do Flamengo e que morreu repentinamente durante um jogo no campo de Futebol da Cascatinha), que diz a um grupo de pesquisadores em 1.991: “A congada de São Benedito foi fundada aqui e tinha um senhor, Herculano Mourão. Ele era negrão, então ele doou aquele terreno lá onde é a igreja de São Benedito e depois, já que tinha a igreja, tinha que ter a congada. Aí meu avô que chamava Justino e mais Joaquim Matias, que era primo do meu avô e o que hoje é bisavô das minhas crianças – José Balbino fundou uma congada de São Benedito, Congo de capa (Terno de Congos de São Benedito que representa a epopéia de Mouros e Cristãos, conhecidos como Carlos Magno e os Doze Pares de França). Capas azuis representam os espanhóis que são católicos. Capa vermelha representa os turcos. Então aí tem a Embaixada.
O grupo de pesquisadores registra: “Os nomes históricos da congada são Herculano de Araújo Cintra e Raimundo Mourão, ex-escravo da família de Mário Mourão e que foi casado com a mulata Zequinha, cujo filho casou-se com Lourdes (que mora em Belo Horizonte) irmã de Mercedes, guardiã da Bandeira e atual responsável pela saída do que resta do grupo. Mercedes é mãe de Ayrton Santana, o Mestre Bucha, que tinha um conjunto de samba com mulatas; é mestre de bateria da Escola de Samba SACIPÔ; mestre da banda do Colégio Municipal Dr. José Vargas de Souza”, também representa “Oliveiros”, personagem da congada”.
Todos citados por Geni são verdadeiros e reconhecidos na história da congada, como o Jaguanário, que foi Carlos Magno, irmão de “Moleque César”. É tia Geni quem afirma que “São Benedito surgiu aqui” (na Cascatinha).



Primeiro Registro Histórico (documento arquivado no Museu Histórico e Geográfico de Poços de Caldas).


Jornal “Revista Poços”  
03 de abril de 1904
Os abaixo assinados festeiros do glorioso São Benedito, nesta localidade, têm a honra de avisar a todos os fiéis que a festa se realizará no dia 13 de maio vindouro constando de novenas com leilões de prendas, missa cantada e procissão solene.
Em todas as solenidades tocará a banda de música dirigida pelo professor Israel Breves dos Santos.
Esperam os abaixo assinados que a festa se realize na própria capela de S. Benedito.
Ao mesmo tempo os festeiros apelam para a generosidade deste bom povo, pedindo-lhes um obulu ou uma prenda para os respectivos leilões, a fim de que possa aquele Santo ser condignamente comemorado.
De S. Benedito esse mesmo povo receberá a devida recompensa.
Poços de Caldas, 24 de Março de 1904.
D. Cândida Augusta de Moraes
Virgílio Teixeira da Fonseca



Associação dos Congos e Caiapós de Poços de Caldas

A Associação de Congos e Caiapós de Poços de Caldas foi criada no dia dezesseis de outubro de dois mil e um (2001), numa reunião no Pálace Casino com a presença de representantes dos ternos de Congos de Poços de Caldas. A finalidade da Associação é de fortalecer e apoiar a Festa de São Benedito, nas suas tradições e obrigações de fé em primeiro lugar. O objetivo primeiro é de não deixar acabar a tradição dos congos e caiapós e apoiar todas as suas iniciativas. Nesta reunião estavam presentes os representantes dos seguintes ternos de congos: São Benedito, Nossa Senhora do Rosário, Nossa Senhora do Carmo, São Gerônimo e Santa Bárbara. Ficou definido o nome da instituição: Associação de Ternos de Congos e Caiapós de São Benedito de Poços de Caldas. A diretoria, por votação, ficou assim decidida: Presidente: Orlanda Conceição Silva; Vice-Presidente: Sebastião Geraldo Domingos; 1º Secretário: Alexandre da Fonseca; 2º Secretário: Zilma Maria da Costa Domingos; 1º Tesoureiro: Benedito Luiz da Costa; 2º Tesoureiro: Joaquim dos Santos Peregrino; Relações Públicas: Ailton Santana; Conselho Fiscal – Titulares: Antônio Carlos Valente, Maria Aparecida do Prado e Manoel de Paula; Conselho Fiscal – Suplente José Pedro Ramos, Luiz Siqueira e Ladir Augusto de Oliveira; Conselho de Cultura – Margarida Maria Abrão Valente, Ailton Santana, Alexandre da Fonseca, Gildásio Novaes Ferreira Júnior, João do Carmo Peregrino Filho e indicados: Maria José de Souza, Roberto de Fátima Teresiano e José Henrique.
O endereço: Rua Sebastião Tomaz Oliveira, 325 – Santa Rosália.
Dona Orlanda, Capitã de Congo e Presidente da Associação, defende o pensamento sobre a importância da “união dos capitães de congos” e que, tudo o que tem em Poços, “tem a mão do negro e da negra” e que “não podemos nos esquecer disto, pois cada igreja de Poços foi construída também com a ajuda das Festas de São Benedito”. Os capitães Ditinho e o falecido Carmo, a bandeireira Dona Mercedes e o chefe dos caiapós, “Seu Pedro”, também falam que “devemos continuar a lutar pelas nossas raízes”.
A Associação é fruto de um trabalho de mais de quatro anos de intenso diálogo, coordenado e incentivado desde o início pelo professor Alexandre e o Mestre Bucha. É um trabalho árduo que vem desde outubro de 2000 até agora e, muitas foram as negociações e que, “se temos reis e rainhas em nossos congados, então temos uma corte”, como já disse Dona Orlanda. Desta forma, quando em março de 2001, pela primeira vez na história, um prefeito (Paulo Tadeu), recebeu em seu gabinete, os reis, rainhas, capitães e capitã de Congos e chefe dos Caiapós, naquele momento houve um acordo de cortes, de reinos, como no passado.
Foi daí que conseguimos uma negociação histórica com a Diocese de Guaxupé, em reunião realizada no altar da Igreja de São Benedito com o grande apoio do Padre Graciano e do Bispo D. José (e do Padre José Ricardo), ao instituirmos, na missa das dez horas da manhã do dia 13 de maio, a MISSA CONGA. Isto é um fato histórico, pois o Padre Graciano, naquela reunião com os capitães, capitã de Congos e chefe de Caiapós, após ouvir a nossa história, como representante do Senhor Bispo que era naquele momento, ressaltou a importância da Igreja reconhecer os Congos e Caiapós como manifestação cultural e religiosa, fato este lavrado no livro de atas da Associação.
São muitas as histórias e fatos acontecidos ao longo do tempo e, a Associação, em 2004, comemora os 100 anos de registros históricos da nossa Festa, embora saibam que ela é muito mais antiga que essa data, porém, com a compilação de dados feitos pela Zilma, a Lílian e o Alexandre, conseguem através de textos, do Dr. Mário Mourão, de Dona Nilza, da Tita e de jornais no Museu Histórico e Geográfico, reconhecer essa data, montando assim, um grande banco de dados que, acreditamos poder estar disponibilizado a toda à comunidade poços caldense e região.

29/06/2011

Conversa com o autor

Verso do livro
Azevedo, Ricardo. Contos de espanto e alumbramento. São Paulo : Scipione , 2010.
Desenho em estilo xilogravura popular, que remetem o leitor para a literatura de cordel

Os estudiosos costumam considerar que o conto popular e o conto de encantamento – também chamado de maravilhoso, ou de fadas, e conhecido no Nordeste por história de trancoso – são a mesma coisa. Em outras palavras, o maravilhoso e o popular, neste caso, se misturariam completamente. Por esse viés, as outras formas narrativas populares seriam, por exemplo, casos, anedotas, lendas ou mitos. Por lendas, é preciso entender narrativas de eventos, mágicos ou não, que teriam acontecido neste mundo, mas há muito tempo. Já mitos são, em princípio, como se sabe, narrativas sagradas, relatando fatos ocorridos num tempo ou mundo anterior ao nosso, que explicam e tornam interpretáveis a vida e o mundo. As narrativas míticas sempre buscam responder a perguntas como “quem fez e como foi feito o mundo”, “por que o homem é mortal, sexuado e precisa trabalhar”, “como surgiram o homem, os costumes, os animais e as plantas” e assim por diante. Mitos pressupõem necessariamente fé.
Longe de mim imaginar que mitos sejam noções arcaicas ou pré-modernas. Para Mircea Eliade, por exemplo, a “higiene” seria um mito moderno. Afinal, a obtenção da higiene absoluta levaria o homem à extinção, derrubado pelo primeiro vírus que aparecesse. A higiene é, portanto, um bem relativo e não, como costuma ser representada, um bem total, ou seja, um mito. O povo sempre soube disso, tanto que cunhou ditados como “o que não mata engorda”, “jacaré com fome até barro come” ou “quem anda na linha o trem esbagaça”. Uma noção abstrata como “liberdade”, por outro lado, pode ser considerada outro mito moderno. Se tratada como valor absoluto, ou seja, se não relativizada, levaria à guerra de todos contra todos. O tema, como se vê, é complexo e imenso.
Em todo caso, muitos pesquisadores acreditam que os contos populares nada mais são do que ruínas de antigos mitos, narrativas que perderam seu caráter de explicação religiosa e sagrada mas continuaram vivas por serem muito bonitas, ou por tratarem de temas humanos relevantes. De contador em contador, teriam virado contos de encantamento.
Se examinarmos esses contos, veremos que tendem a ser construídos a partir de um diálogo entre o “maravilhoso” – feitiços, monstros, encantos, instrumentos mágicos e amigos sobrenaturais – e os fatos da “vida concreta” – paixões entre homens e mulheres, mentiras, heróis em busca do autoconhecimento, inveja, egoísmo, amores, ardis, traições, violências e transgressões de toda ordem.
Em muitos contos, a preponderância fica por conta do “maravilhoso”. Tenho tentado resgatar esse rico material em livros como Meu livro meu folclore, Armazém do folclore, Contos de enganar a morte e No meio da noite escura, tem um pé de maravilha! , entre outros. Refiro-me particularmente a narrativas como “Três namorados da princesa”, “A quase morte de Zé Malandro”, “A história do príncipe Luís”, “O príncipe encantado no reino da escuridão” e “O rei que ficou cego”, por exemplo.
Nesses mesmos livros, porém, há casos de contos em que o “maravilhoso” tende a ser menos relevante ou mesmo a desaparecer. Cito dois casos: “O filho mudo do fazendeiro”, no qual o “encantamento” surge somente nas histórias narradas pela personagem, e “Coco Verde e Melancia”, onde ele simplesmente inexiste.
O livro Contos de espanto e alumbramento traz nove versões de contos populares em que o diálogo entre o “maravilhoso” e a “vida concreta” tende às instâncias desta última.
Neles, o leitor certamente encontrará heróis enfeitiçados, animais mágicos, monstrengos e encantamentos, mas notará que os tema da transgressão, da paixão, da violência, da inveja, do amor, e da sexualidade – assuntos da vida concreta – são preponderantes e estão delineados com grande nitidez.
 Talvez seja esse o diferencial dos contos populares recontados neste livro.
Concluindo, é preciso dizer que, mesmo nos contos tipicamente maravilhosos, o que resiste e persiste por trás de tudo são sempre e sempre os assuntos da vida humana concreta e situada.
Trazer esses temas à baila através da ficção e da poesia é o que de fato nos faz abraçar e amar a literatura, seja ela popular ou não.
Ricardo Azevedo

28/06/2011

Sugestão de leitura: Livro de papel - Ricardo Azevedo


Às vezes as pessoas parecem uma ilha cercada de papel por todos os lados segundo o autor. Tudo isso faz parte do dia-a-dia da maioria das pessoas em casa, na escola, na rua e na vida . É livro, é caderno, recadinho preso na parede, cartas, bilhetes, diplomas, cartões-postais, balões de São João, dinheiro, papel higiênico, cartazes, cadernos, telegramas, passes, contas para pagar, boletins escolares e muito mais.. Foi mais ou menos nisso que o autor pensou para fazer os textos e os desenhos deste livro.

14/06/2011

Sugestão de leitura: Contos de enganar a morte (Ricardo Azevedo)


Um livro interessante é Contos de Enganar a Morte, de Ricardo Azevedo, da editora Ática. As ilustrações do próprio autor são em preto e branco, em traço firme e grosso, lembrando muito xilogravuras de literatura de cordel.

O livro traz quatro saborosas narrativas populares brasileiras de pessoas que não queriam morrer e inventam truques e ardis para escapar da morte. Mas ela sempre vence no final, é claro.
“O homem que enxergava a morte” traz a história de um homem que convida a Morte para madrinha seu filho e em troca ela lhe concede o dom de adivinhar se um doente irá morrer ou viver. Com isso ele se torna um médico rico e famoso, mas é claro que quando chega a hora dele mesmo bater as botas a história é outra.

“O último dia na vida do ferreiro” narra a história de um ferreiro que não se seduz com falsas propostas de riqueza feitas pela Morte. Depois de ajudar uma velha necessitada, tem seus desejos atendidos e assim engana a Morte por duas vezes. Mas como sempre no final seu destino é esticar as canelas, como todo mundo.

 “O moço que não queria morrer” é a história de um jovem que conhece a Morte por acaso e resolve procurar um lugar onde ninguém morria. Ele acaba achando, mas a imortalidade tem uma condição. E um dia a Morte o engana e ele acaba abotoando o paletó de madeira.

 “A quase morte de Zé Malandro” conta a história de um jovem folgado que um dia ganha o dom de ser invencível no baralho, uma figueira que quem sobe nela só desce com seu consentimento, e um banco e um saco de pano que quem se sentar ou entrar nele só sai também com seu consentimento. E com isso engana a Morte e o próprio Diabo. Mas quando chega a hora de entregar a rapadura as coisas não saem do jeito que ele planejou.

Um trecho da última história:
“Certa noite, bateram na sua porta. Era um homem estranho, de cara feia, chapéu e paletó escuro.

- Zé, se prepare – disse o homem. – Sua hora chegou.

- Quem é você? – quis saber Zé Malandro.

- Sou o Diabo – respondeu o outro, tirando o chapéu e mostrando dois tristes chifres. – A Morte não quis vir de jeito nenhum, mas me mandou no lugar dela para buscar você.

- Mas como! – disse o Zé espantado. – Já? Deve haver algum engano!

O Diabo caiu na gargalhada.

- Não venha com essa conversa mole. Já estou avisado sobre você. Vamos embora agorinha mesmo. Ou vai me pedir pra subir na figueira? Nessa eu não caio!

Zé Malandro baixou a cabeça.

- Posso fazer um último pedido? – perguntou ele com lágrimas nos olhos. – É muito importante. É o último deseja de um pobre velho miserável raquítico esclerosado caindo aos pedaços. Queria tomar um traguinho de cachaça antes de abotoar o paletó. Você me acompanha?

O Diabo lambeu os beiços.

- Até que não é má idéia!

- Sente-se aí enquanto eu pego os copos e a pinga – disse Zé Malandro, puxando o banquinho.

Dito e feito. O Diabo sentou-se lá e não saiu mais.

- Me tira daqui! – gritou ele, assustado.

Zé Malandro deu risada, despediu-se e foi jogar baralho.

Com o Diabo preso no banquinho, acabaram-se os crimes na cidade. As cadeias ficaram vazias e os guardas, delegados, advogados e juízes preocupados em perder seus empregos. Além disso, como as pessoas agora só falavam a verdade, começou a haver muita confusão porque as verdades são muitas. Mas o pior não foi isso. Acontece que o Diabo passava o dia inteiro sentado no banquinho gritando, guinchando e falando os piores palavrões.”

13/06/2011

Sugestão de leitura: Contos de espanto e alumbramento (Ricardo Azevedo)

O livro apresenta nove versões de contos populares em que o diálogo entre o 'maravilhoso' e a 'vida concreta' tende às instâncias desta última. Neles, o leitor certamente encontrará heróis enfeitiçados, animais mágicos, monstrengos e encantamentos, mas notará que os temas da transgressão, da paixão, da violência, da inveja, do amor e da sexualidade - assuntos da vida concreta - são preponderantes e estão delineados com grande nitidez. Talvez seja esse o diferencial dos contos populares recontados nesta obra.

07/06/2011

Você já leu Ricardo Azevedo?


Nós gostamos de contar histórias. E, consequentemente, gostamos de aprender novas histórias. Assim, lógico que temos influência de 'contadores' clássicos, como Andersen, ou Charles Perrault, ou os irmãos Grimm. Ou Câmara Cascudo, pra falar de um brasileiro importante. Contadores que contam através da escrita (pelo menos, é como eles nos chegam) histórias de própria autoria, ou – como historiadores do mundo imaginário – reproduções de pérolas encontradas no caminho, ou ainda uma mistura, adaptando histórias descobertas e trazendo um pouco de si pra elas. Vira e mexe recorremos a uma história de algum desses tão conhecidos desbravadores da fantasia.

No entanto, hoje quero falar de um cara em especial, que tem uma influência muito grande em nosso singelo grupo de contadores. Um cara com um sotaque muito brasileiro, que não só descobre histórias por aí – histórias que vêm sendo passadas oralmente – mas que acrescenta a elas um pedaço do seu coração. Seu nome é Ricardo Azevedo. Quem já leu um de seus livros sabe como seu texto é saboroso e dinâmico, e como ele é capaz de revelar um universo imaginário muito brasileiro, mesmo quando fala de reis, rainhas, príncipes e princesas. Seus livros, que são voltados a um público infanto-juvenil, trazem sempre mais de uma história e muitas vezes quadras, trava-línguas, adivinhas, brincadeiras, pontes que ajudam a chegar onde as histórias estão. E as histórias são deliciosas, de uma natureza muito conhecida, próxima, da nossa terra. Mas, mais que as histórias em si ou as brincadeiras dos livros, o que acredito ser seu bem mais precioso é o seu estilo.

A linguagem é uma coisa poderosa, e muitas vezes fala muito pela sua forma, não apenas pelo conteúdo. Lendo Ricardo Azevedo isso fica muito claro. É quase automático ser transportado para o interior do Brasil, ou para alguma parte do sertão nordestino e isso acontece, muitas vezes, apenas ao ler uma frase. Às vezes por uma única palavra. Particularmente para um contador de histórias isso é muito precioso. Seus textos são, ao mesmo tempo, concisos e abrangentes, fornecendo ferramentas para se trabalhar com vazios que dizem muito, possibilitando a abertura de caminhos e conexões com palavras certeiras e, acima de tudo, trazendo poesia. E é essa poesia que tem o poder definitivo de transportar quem ouve de uma forma tão natural e despretensiosa, para o mundo do fantástico. Talvez mais até do que a música (quem já contou histórias sabe o poder de uma boa música). Essa experiência eu trago da (não tão extensa, é verdade) prática de contador, de ver o que funciona e o que não funciona. E é quase mágico!
Claro que nada é mais importante que uma boa história. E, eu garanto, suas histórias são deliciosas. É verdade que assim são também as histórias dos seus já mencionados e aclamados antecessores. Mas no estilo e na forma poucos me fazem sentir como me sinto quando leio Ricardo Azevedo. Como se estivesse na presença de um verdadeiro contador de histórias.


http://contantescontentes.blogspot.com/2011/03/voce-ja-leu-ricardo-azevedo.html

03/06/2011

Caiapós visitam CAIC






No último dia 27 de maio a escola CAIC recebeu a visita dos Caiapós. A visita aconteceu em razão da participação da escola dentro do Projeto Cultura Popular desenvolvido pelas Bibliotecas Públicas Municipais.Na oportunidade,os alunos do 6° ano de aceleração,encenaram o "Roubo da Bugrinha", que foi assistido por todos os alunos da escola CAIC.
Aproveitamos o ensejo para agradecer a presença do Grupo de Caiapós, especialmente o Sr. Pedro.


02/06/2011

"O vaqueiro que não sabia mentir"

Era uma vez um fazendeiro muito rico. O fazendeiro tinha dois orgulhos. Primeiro, seu boi Barroso, o maior, o mais forte, o mais bonito, o animal mais valioso de toda a região. Segundo, um vaqueiro que trabalhava na fazenda. O moço era de confiança. O moço não sabia mentir. O fazendeiro costumava dizer:
- Por esse eu ponho a mão no fogo! Esse só mente pra mim no dia de São Nunca!
O povo caçoava:
- Todo mundo mente! Vai esperando. Um dia esse vaqueiro ainda lhe passa a perna!
Mas o fazendeiro discordava:
- Não tem como! Confio nele demais. Tanto é verdade que deixo meu boi de estimação na mão dele. Só aquele moço pra cuidar do boi Barroso, o meu bichinho adorado, aquela jóia cheia de carne, que muge, tem dois chifres e quatro patas.
Um dia, o fazendeiro vizinho, um sujeito malvado e invejoso, resolveu acabar com aquela história. Foi visitar o outro e veio com essa:
- Quer valer quanto? Aposto um saco cheio de dinheiro como faço aquele moço safado contar uma mentira da grossa.
O fazendeiro não pensou duas vezes:
- Tá apostado! – disse, estendendo a mão para selar o compromisso.
Mas o tal vizinho tinha uma idéia na cabeça. Voltou para sua fazenda e já foi chamando a filha. A moça era uma flor de tão linda.
- Você vai me ajudar a fazer aquele danado mentir.
E contou qual era o plano. A moça ficou assustada:
- Pai! Isso eu não faço não!
O fazendeiro não era de brincadeiras. Mandou a filha fazer e pronto. A moça gritou:
- Não vou!
O fazendeiro insistiu. E a moça:
- Não quero!
Mas aquele fazendeiro era mau. Tanto falou, tanto fez, tanto bateu, tanto maltratou que a filha, no fim, não teve jeito.
E assim foi.
Um dia, o vaqueiro que não sabia mentir estava longe, no pasto, tomando conta do boi Barroso, quando a moça apareceu.
Veio toda cheirosa, usando um vestido de flores do campo.
O vaqueiro achou a moça muito bonita.
- Vaqueiro, preciso falar com você!
E a moça, fazendo o que o pai tinha mandado, disse que gostava do moço.
O vaqueiro estranhou.
- A gente nem se conhece!
A moça chegou perto. Naquele dia, os dois só conversaram.
Passou o tempo.
A moça apareceu de novo. Veio toda cheirosa, usando um vestido de conchas do mar.
O vaqueiro achou a moça muito linda.
- Vaqueiro, preciso falar com você!
E a moça, fazendo o que o pai tinha mandado, disse que não conseguia tirar o moço da cabeça.
O vaqueiro ficou sem jeito, mas gostou.
A moça chegou mais perto. Naquele dia, os dois se abraçaram.
Passou o tempo.
A moça apareceu de novo. Veio toda cheirosa, usando um vestido de estrelas do céu.
O vaqueiro achou a moça mais linha do que tudo.
- Vaqueiro, preciso falar com você!
E a moça, fazendo o que o pai tinha mandado, disse que queria namorar o moço.
O vaqueiro já estava apaixonado pela moça.
Naquele dia, os dois namoraram o dia inteiro.
Na despedida, fazendo o que o pai tinha mandado, a moça pediu:
- Agora quero uma prova de amor!
Os olhos do vaqueiro brilharam.
- Por você moça, eu faço tudo!
A filha do fazendeiro segurou o moço pelos ombros:
- Então mate o boi Barroso!
O rapaz estremeceu.
- Mas o Barroso vale ouro! – disse ele. – É o maior, o mais forte, o mais bonito, o mais valioso animal de toda a região. Peça outra coisa, moça bonita! Peça tudo, menos isso!
Mas a moça só queria saber do boi.
- O boi Barroso é o xodó do meu patrão!- gritou o vaqueiro.
A moça por dentro chorava. Mas por fora ficou firme:
- É por isso mesmo! – disse ela. – Essa vai ser a prova de seu amor!
O moço examinou a moça e balançou a cabeça. Depois, puxou a peixeira da cinta e matou o boi Barroso ali mesmo.
A moça foi embora. Chegou em casa chorando. Contou tudo para o pai.
O malvado caiu na gargalhada. No outro dia, foi visitar a fazenda do vizinho, já chegou caçoando:
- Cadê meu saco de dinheiro?
O outro não entendeu:
- Como é que é isso?
E o recém-chegado:
- Vim cobrar minha aposta, ué!
O fazendeiro estranhou.
- Cobrar a troco de quê?
E o malvado:
- Pois chame o tal vaqueiro de sua confiança.
O fazendeiro mandou chamar. O moço veio de cabeça baixa e chapéu na mão.
O fazendeiro malvado só ria:
- Diga a ele, vaqueiro. Conte que fim levou o famoso boi Barroso.
O fazendeiro malvado achava que o vaqueiro que não sabia mentir dessa vez ia mentir, mas o vaqueiro, puxando uma viola, cantou:


EU ESTAVA NO MEU CANTO
UMA FLOR SAIU NO CHÃO
CRESCEU E FEZ UM PEDIDO
QUE RASGOU MEU CORAÇÃO


PEDIU QUE EU MATASSE O BOI
AQUELE BOI FABULOSO
AQUELE BICHO JEITOSO
O FAMOSO BOI BARROSO

EU DISSE QUE NÃO PODIA
ELA DISSE QUE QUERIA
EU DISSE EU NÃO DEVIA
ELA FEZ QUE NÃO ME OUVIA

E DISSE MAIS, MEU SENHOR.
VEIO PRA PERTO E FALOU
QUERIA SENTIR FIRMEZA
CERTEZA DO MEU AMOR

EU AMAVA DE VERDADE,
SENTIA AMOR PRA VALER
MAS SE O AMOR É INVISIVEL
O QUE É QUE EU POSSO FAZER?

PRA PROVAR QUE ELE EXISTIA
MOSTRAR QUE TAMANHO TINHA
COMETI UMA MALDADE
FOI CRIME, FOI CULPA MINHA

EU MATEI O BOI BARROSO
AQUELE BOI AMOROSO
AQUELE BICHO MANHOSO
AQUELE BOI PRECIOSO

FIZ LOUCURA AQUELA HORA
POR ESTAR APAIXONADO
SE ERREI, EU PAGO AGORA
MEREÇO SER CASTIGADO!


 O dono do boi ficou louco da vida:
- Mataram meu boi Barroso!
O vizinho ficou de queixo caído:
- O danado não mentiu!
Foi quando surgiu a moça. Veio toda cheirosa, usando um vestido branco. Pediu a palavra. Disse que estava arrependida, Chorou. Contou a verdade. Gritou. Disse que tinha feito tudo obrigada pelo pai.
Ao ouvir isso, o vaqueiro que não sabia mentir ficou tristonho.
Mas a moça continuou.
Confessou que tanto veio, tanto foi, que acabou gostando do vaqueiro. Disse que agora estava apaixonada e queria casar com ele.
E assim acabou essa história.
O fazendeiro malvado pagou a aposta e foi expulso da fazenda, prometendo deixar sua filha casar com o vaqueiro.
O dono do boi Barroso acabou perdoando o rapaz, reconheceu seu valou e ainda deu a ele, de presente de casamento, o saco de dinheiro ganho na aposta.
O vaqueiro que não sabia mentir e a moça bonita se casaram logo depois numa festança que durou muitos dias e muitas noites.



AZEVEDO, Ricardo. Bazar do Folclore. São Paulo: Editora Ática, 2001.

01/06/2011

Ricardo Azevedo declama ''Bola de Gude'' e "Aula de Leitura"

Neste vídeo, o escritor Ricardo Azevedo declama os poemas "Bola de Gude" e "Aula de Leitura", do livro "19 poemas desengonçados" (Editora Ática). O objetivo é mostrar como educadores podem utilizar a leitura de poesias como recurso para ampliar o repertório e desenvolver a oralidade das crianças desde a pré-escola.


http://revistaescola.abril.com.br/educacao-infantil/4-a-6-anos/ricardo-azevedo-declama-bola-gude-568081.shtml

18/05/2011

A retirada dos caiapós da mata

Está completando 107 anos a Festa de São Benedito e ontem, 11 de maio, aconteceu mais uma cerimônia da Retirada dos Caiapós da Mata. Estavam presentes 5 ternos de Congos e 2 grupos de Caiapós, cercados por centenas de pessoas que acompanhavam atentas a cerimônia.

Segundo a jornalista Jesuane Salvador, no seu texto "A Congada pede passagem” extraída da Revista LA CREME, no Terno de São Benedito, o mais antigo da cidade, ocorre a Embaixada, auto que encena a luta entre mouros e cristãos representados pelo rei Carlos Magno e os Doze Pares de França - os melhores espadachins daquele reino.
Instrumentos de sopro, pandeiros, violões, cavacos, banjos, sanfonas, surdos e as caixas marcam presença. A musicalidade é característica forte no terno de Nossa Senhora do Rosário. Os tambores mais graves garantem o som predominante e as caixas são usadas para o contraponto rítmico da base percussiva.
A congada mirim de Santa Ifigênia traz os filhos, netos ou bisnetos dos congadeiros. Os congos de Nossa Senhora do Carmo são responsáveis por um cortejo elegante realizado por gente como o Senhor Altamiro, Elaine, Jeferson, Paulo e todos os que me receberam e ensinaram inúmeras canções.
Trazendo espada sinuosa, a expressiva capitã do terno de São Jerônimo e Santa Bárbara aparece seguida das filhas e filhos-de-santo, com vestes rituais e coloridas guias nos pescoços. Ela “é Orlanda da Conceição e se define como “capitã-mulher”, coisa que não se acha fácil”.
Os congos chegam acompanhados de dois grupos de caiapós, dos bairros São José e Vila Cruz. Os "índios" trazem rostos e corpos pintados e ostentam grandes cocares. Dançam em coreografia de guerra. Não cantam e não falam porque os índios não falavam a língua dos colonizadores. Entre seus rituais peculiares está a cerimônia do mel, a retirada dos caiapós do mato e a tradicional perseguição para o resgate da bugrinha.
Um homem de vestes coloridas sapateia, fazendo ressoar os chocalhos presos ao tornozelo direito: é o Moçambique. O tempo levou consigo os companheiros e apenas ele representa a dança que, há um século, acompanhava, em dezenas de bailantes, a procissão.
Há tanta riqueza de detalhes, de cores e de universos dentro de universos em cada um dos grupos... Vale sentir, ver e acompanhar. Difícil é não ficar perplexo diante de tanta música, história e, sobretudo, da força da palavra “povo”. Talvez não haja definição mais perfeita para os dias que marcam a primeira quinzena de maio em Poços de Caldas senão a de um congadeiro. “Pra falar da congada não adianta só oiá as fitas que alvoroça do povo dançando... Quem quiser saber da congada tem que, primeiro de tudo, saber da angústia dos negros, dos sofrimentos dos índios e da fé que enche o coração... O congo tá na nossa alma. Nóis somo o povo e a fé do povo não carece de muita palavra!”


Histórias sobre Festa de São Benedito, Congadas e Caiapós

Conversa do “Mestre Bucha” com os alunos do 4º e 5º anos da Escola Municipal Alvino Hosken de Oliveira).


A Escola Municipal Alvino Hosken de Oliveira recebeu no dia 03 de maio de 2011 a visita do Embaixador de Congo do Terno de Congo São Benedito, “Mestre Bucha”, como é conhecido, para fazer uma palestra sobre a Congada, para os alunos do 4º e 5º anos. O objetivo da palestra é a coleta de materiais para a realização do Projeto Cultura Popular 2011, uma realização das Bibliotecas Públicas Municipais de Poços de Caldas em parceria com algumas Escolas Municipais.

Foi feita uma explanação sobre a evolução da congada em Poços de Caldas, vestimentas e sobre o preconceito sofrido pelos escravos e índios na época, o que ocasionou uma união maior entre eles.
Uma das curiosidades das crianças é a respeito da participação da “Bugrinha” nos grupos de Caiapós.  Segundo o Mestre Bucha a bugrinha representa o “Curumim” (criança indígena) que era retirada de sua tribo pelos brancos para ajudar nos trabalhos domésticos. Ele aproveitou para ensinar o bailado dos congos e dos caiapós para os alunos.
No final da palestra ele deixou para a Biblioteca Professor Júlio Bonazzi material para pesquisa como: fotos e textos, o que poderá ser usado pela comunidade em geral.

17/05/2011

Caiapós e Congada


Aconteceu no Bairro Santa Rita, mediações da Biblioteca Municipal Prof. Júlio Bonazzi e da “Fonte Monjolinho”, uma grande manifestação folclórica com a concentração dos grupos de Caipós e Congada do Terno Nossa Senhora do Carmo, no dia 12 de maio véspera da grande festa de São Benedito. Vejam as fotos.













09/05/2011

CAIC na Festa de Santa Cruz

No dia 03 de maio de 2011, estiveram presentes na Igreja de Santa Cruz o vice-diretor do CAIC Professor Ferreira Pinto, José Reinaldo de Freitas e o professor de Matemática Diego dos Reis Nogueira para registrarem, através de fotos e filmagem, a cerimônia  de benção dos mastros feita pelo  Frei do Santuário de N. S. de Fátima. 
Todo o material, registrado por eles, será utilizado pelos alunos do CAIC que estão participando do Projeto Cultura Popular.
Parabéns à iniciativa e a participação.

05/05/2011

Capela de Santa Cruz

Poços de Caldas, seguindo a tradição mineira, construiu sua primeira capela de Santa Cruz no morro do Itororó (porém não se tem a data da sua construção) conforme registro no Livro do Tombo da Paróquia de N. S. da Saúde (pag. 3-4), porém a capela foi demolida na década de 1920.
Em 1895, foi edificada uma nova Capela de Santa Cruz no alto do morro fronteiriço à Praça Senador Godoy (atual Pedro Sanches), morro este que recebeu o nome daquela evocação até ser construído sobre ele o Santuário de N. S. de Fátima.
Iniciou-se então com grande pompa a festa de Santa Cruz precedida de um tríduo, de 19 de abril a 3 de maio, quando era celebrada a missa seguida de solene procissão.
Após a construção da Igreja de São Benedito, a tradicional procissão de Santa Cruz descia pela Rua do Vai-e-Volta (atual Barão do Campo Místico) enfeitada com bandeirolas, parava defronte a residência do Dr. Mário Mourão, na Rua Junqueiras, onde a ela se incorporava a imagem de N. S. do Rosário, seguindo pela Praça Pedro Sanches, Av. Francisco Salles, Rua Santa Catarina, de onde subia pela Rua Rio de Janeiro para o Santuário do Santo Negro, dando início à Festa de São Benedito.
Em 1985, a Capela foi tombada pelo Serviço do Patrimônio Histórico, Turístico e Artístico Municipal. Em 7 de novembro de 1987, a Capela de Santa Cruz foi entregue à comunidade totalmente remodelada e restaurada, sendo uma das relíquias históricas da estância.
Atualmente, os Ternos de Congos realizam o tradicional levantamento do mastro, com o início da procissão na Capela de Santa Cruz, onde recebem a benção de um frei franciscano (do Santuário de N. S. de Fátima). Cada Terno de Congo faz a sua reverência à Santa Cruz e todos juntos saem em procissão em direção à Igreja de São Benedito; passando pela Rua Barão do Campo Místico, Rua Junqueiras, Basílica de N. S. da Saúde (onde incorporam a imagem de N. S. do Rosário – após ser coroada durante a missa à procissão) e seguem pela Rua XV de Novembro, Rua Correa Neto e chegam à Igreja de São Benedito.


Megale, Nilza Botelho
Memórias Históricas de Poços de Caldas



 

03/05/2011

Jesus e os Reis Magos - História Bíblica


Lucas 2.2-20

Naqueles dias, foi publicado um decreto de César Augusto, imperador romano que dominava toda a região, convocando a população do império para recensear-se. Este, o primeiro recenseamento, foi feito quando Quirino era governador da Síria.

Todos iam alistar-se, cada um à sua própria cidade.
José (o carpinteiro) também subiu de Nazaré, na Galiléia, para a Judéia, à Belém, Cidade do antigo rei Davi, Por ser ele (José) da casa e família de Davi, a fim de alista-se com Maria, sua esposa, que estava grávida.
Estando eles ali, aconteceu completarem-se-lhe os dias, (280 dias) e ela (Maria) deu a luz ao primeiro filho (primogênito), enfaixou-o e o deitou numa manjedoura (cocho, comedouro para animais) porque não havia lugar para eles na hospedaria.

Havia naquela mesma região, pastores que viviam nos campos e guardavam o seu rebanho durante as vigílias da noite (3 turnos de 4 horas).

E um anjo do Senhor desceu onde eles estavam, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles e ficaram tomados de grande temor. O anjo, porém, lhes disse:
- Não temais; eis aqui vos trago boa nova de grande alegria, que o será para todo o povo: é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor.
E isto vos servirá de sinal: encontrareis uma criança envolta em faixas e deitada em manjedoura.
E subitamente, apareceu com o anjo uma multidão da milícia celestial, louvando a Deus e dizendo:
- Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem.
E, ausentando-se deles os anjos para o céu, diziam os pastores uns aos outros: Vamos até Belém e vejamos os acontecimentos que o Senhor nos deu a conhecer.
Foram apressadamente e acharam Maria e José e a criança deitada na manjedoura.
E vendo-o divulgaram o que lhes tinha sido dito a respeito deste menino. Todos os que ouviram se admiraram das coisas referidas pelos pastores. Maria, porém, guardava todas estas palavras, meditando-as no coração.

Voltaram então os pastores glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, como lhes fora anunciado.

A visita dos Magos – Mateus 2.2-12

Jesus, nascido em Belém da Judéia, em dias do rei Herodes, eis que vieram uns magos do Oriente (Ásia) a Jerusalém, e perguntavam:
- Onde está o recém-nascido Rei dos judeus? Porque vimos a sua estrela no Oriente e viemos para adorá-lo.

Tendo ouvido isso, alarmou-se o rei Herodes, e, com ele, toda a Jerusalém. Então, convocando todos os principais sacerdotes e escribas, indagava deles onde o Cristo nasceria.

Em Belém, respondiam eles. Porque assim está escrito por intermédio do profeta:
E, tu, Belém, terra de Judá, não és de modo algum a menor entre as principais de Judá; porque de ti sairá o Guia que há de apascentar meu povo, Israel.

Com isto, Herodes, tendo chamado secretamente os magos, inquiriu deles com precisão quanto ao tempo em que a estrela aparecera, e, enviando-os a Belém, disse-lhes: - Ide informar-vos cuidadosamente a respeito do menino e quando o tiverdes encontrado avisai-me para eu também ir adorá-lo.

Depois de ouvirem o rei, partiram; e eis que a estrela que viram no oriente os precedia, até que, chegando, parou sobre onde estava o menino.
E vendo a estrela, eles alegram-se com grande e intenso júbilo. (alegria). Entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe.
Prostando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe suas ofertas.

28/04/2011

Programação da Festa de São Benedito 2011

Dia 3 de maio – Dia de Santa Cruz
Horário: 19h – Abertura da Capela de Santa Cruz com todos os Capitães de Congo.
Horário: 20h – Cortejo com os Mastros pelos Congados (Rua Barão do Campo Místico, Rua Junqueiras, Praça Pedro Sanches, chegando à Igreja de Santo Antônio na Rua São Paulo)
Horário: 20h e 30min – Retirada da Imagem de Nossa Senhora do Rosário.
Horário: 21 h – Procissão com andor de Nossa Senhora do Rosário e os Mastros Sagrados (saída da Igreja de Santo Antônio, pela rua São Paulo com chegada no pátio da Igreja de São Benedito)
Horário: 21h e 30min – Chegada dos Congos ao pátio de São Benedito, levantamento dos Mastros Sagrados com queima de fogos. Entronização da Imagem de Nossa Senhora do Rosário na Igreja de São Benedito pelos Capitães de Congo, seguida de benção aos devotos de São Benedito.
Dia 11 de maio
Horário: 15h
– Retirada dos Caiapós do mato pelo Terno de São Benedito com a presença de todos os Ternos de Congos, na Fonte dos Amores.
Horário: 15h e 30min – Caminhada pela cidade, conduzindo os Caiapós até a Igreja de São Benedito na Praça Coronel Agostinho Junqueira.
Horário: 18h – Celebração Eucarística na Igreja de São Domingos com a presença de todos os ternos de Congos e Caiapós.
Dias: 11 ao dia 13 de maio
Horário: 21 h
– Embaixada de Carlos Magno e os 12 pares de França pelo Terno de Congos de São Benedito, no pátio da Igreja de São Benedito.
Obs: Todos os dias da festa, durante o dia, os Ternos de Congos e Caiapós, fazem visitas às casas e  escolas de Poços de Caldas e cidades vizinhas que solicitam suas presenças. À noite realizam suas devoções na Igreja de São Benedito, das 20h até às 22h, bem como percorrem todo o entorno da Igreja de São Benedito.
Dia 13 de maio
Horário: 6h
– Alvorada Festiva com queima de fogos e repique de sinos da Igreja de São Benedito e de Nossa Senhora da Saúde (Basílica).
Horário: 10h – Missa Conga na Igreja de São Benedito com a participação de todos os Ternos de Congos e Caiapós.
Horário: das 12h às 15h, os Ternos de Congos e Caiapós fazem sua visita à Basílica de Nossa Senhora da Saúde, em memória e respeito, por ser ali o primeiro local onde havia a Capela de São Benedito. Também fazem visitas aos asilos, levando alegria e conforto àqueles que lá se encontram e que já participaram de congadas.
Horário: 16 h – Procissão solene com andores de São Benedito, seguido de Nossa Senhora do Rosário e Santa Efigênia pelas ruas das cidades
Roteiro da procissão: Rua São Paulo, Praça Pedro Sanches, Praça Major Luiz Loyola, Rua Junqueiras, Rua Assis Figueiredo, Rua Alagoas, Rua Santa Catarina, Rua Rio de Janeiro.
Horário: Missa de encerramento da Festa de São Benedito (missa campal), seguida de coroação de Nossa Senhora do Rosário com queima de fogos. Após a coroação, louvor dos Ternos de Congos e Caiapós à São Benedito dentro da Igreja até 22 horas.